Article

Morre Amanda Peterson, a eterna “namorada de aluguel”

Muito antes dos nerds virarem moda, e tomarem de assalto à cultura pop, muito antes das facilidades da internet e das TVs a cabo com milhares de filmes e séries, lá nos longínquos anos 80 onde o estereotipo do “perdedor” era o que identificava estes seres um tanto bizarros e deslocados.

[dropcap size=small]N[/dropcap]a Sessão da Tarde ou posteriormente no Cinema em Casa, tínhamos o alento de vários filmes que abordavam a luta desta galera para ter seu lugar ao sol, e sem duvida alguma Namorada de Aluguel (Can not Buy Me Love) 1987, como ficou conhecido no Brasil é um dos mais emblemáticos, um clássico absoluto.

Imagem 001

No filme acompanhávamos a inusitada proposta de Ronald Miller/Patrick Dempsey para uma líder de torcida muito popular em seu colégio, Cindy Mancini/Amanda Peterson, que tinha danificado o casaco de sua mãe em uma festa.

Ronald oferece a quantia de $1.000 de suas economias para a compra de um casaco novo, em troca Cindy seria sua companhia por um mês, fingindo ser sua namorada. Com isso Ronald poderia ser aceito no time dos caras populares do colégio…

Amanda Peterson que completaria 44 anos no próximo dia 8 de julho foi encontrada morta em seu apartamento no ultimo domingo dia 05, ela abandonou a carreira de atriz em 1994. Atualmente se dedicava a lançar-se como escritora, a causa da morte ainda é desconhecida…

Quem nunca viu o filme, vale dar uma conferida, Amanda Peterson esta radiante a cada cena que aparece. Namorada de Aluguel é um daqueles filmes despretensiosos, mas que acabam por te acompanhar pela vida toda, ao abordar temas universais, como amor, amizade e sonhos de forma simples e honesta.

E qual nerd velha guarda nunca sonhou em ser Ronald Miller?

Fonte: Entertaiment Weekley

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePin on Pinterest

É Bacharel em Psicologia, porém optou por sua grande paixão trabalhando como ilustrador e quadrinhista. É sócio do Pencil Blue Studio e Ponto Zero, podendo assim viver e falar do que gosta: quadrinhos, cinema, séries de TV e literatura.

39 views
Scroll Up