Mulher-Maravilha, a série de TV

A personagem Mulher-Maravilha foi criada pelo psicólogo americano Dr. William Moulton Marston, sob o pseudônimo de Charles Moulton em 25 de outubro de 1940. Moulton ficou famoso por ser o inventor do Detector de Mentiras ou Polígrafo, aparelho que foi usado por muitos anos.

A personagem tornou-se uma resposta feminina a vários heróis da época e caiu nas graças do feminismo, sendo um grande sucesso de vendas. Moulton e sua esposa Elizabeth Holloway Marston, co-criadora da personagem, procuraram dotá-la com várias de suas teorias psicológicas, onde a heroína é a principal personagem na trama e tem voz ativa sobre sua vida. Algo pouco comum para as mulheres da época.

Na trama a Mulher-Maravilha é uma princesa amazona de origem grega, que mora numa ilha remota habitada por mulheres amazonas, quando cai um avião dos aliados, onde sobrevive o piloto Steve Trevor e então, a princesa deixa a ilha para lutar contra os países que foram o chamado Eixo durante a Segunda Guerra Mundial.

Mulher-Maravilha

O TELEFILME

Desde o sucesso das animações do Superman de 1941 pelos Estúdios Fleischer/Famous Estúdios e graças ao sucesso do seriado de cinema do Batman (O Morcego, no Brasil) de 1943 da Columbia, cogitou-se fazer uma produção com a Mulher-Maravilha, porém, nada foi de fato produzido.

Retomou-se a ideia de produzir uma serie com a personagem nos anos 1950, graças ao sucesso da serie As Aventuras do Super-Homem com George Reeves (1952 – 1958).

Mulher-Maravilha
Cathy Lee Crosby

Somente em 1966, com o enorme sucesso da serie Batman, estrelada por Adam West e Burt Ward (veja nossa homenagem a West AQUI) que de fato houve algo concreto em relação a uma possível produção estrelada pela heroína. Infelizmente o cancelamento precoce da serie Batman afetou os planos para uma série da Mulher-Maravilha e, novamente, um possível projeto foi deixado de lado.

Em 1968 a revista da Mulher-Maravilha sofreu mudanças radicais que seriam sentidas ao longo dos anos. Nas mãos do brilhante roteirista Dennis O’neil, Diana decide permanecer no Mundo dos Homens perdendo seus poderes e combatendo vários inimigos, tornando-se espiã.

É justamente esta fase que marcou a primeira tentativa real de se produzir uma série da Mulher-Maravilha.

Em 1974 a rede de TV ABC exibiu um telefilme de 90 minutos, onde eram mostradas as aventuras da assistente do espião Steve Trevor (Kaz Garas), chamada Diana (Cathy Lee Crosby), enfrentando o vilão Abner Smith (Ricardo Montalban de A Ilha da Fantasia) e uma amazona vilã chamada Ângela (Anitra Ford) que roubam um aparelho capaz de decifrar códigos secretos do governo americano e põem em risco vários agentes infiltrados.

Apesar de ser um roteiro do premiado John D.F. Black (Star Trek/Star Trek – The Next Generation/Shaft entre outros), é focada nos personagens e sua única cena de ação acontece numa luta entre Diana e Ângela.

Uma boa historia que não chamou a atenção e com um elenco de protagonistas muito fraco. Não foi um fracasso, mas poderia ser melhor.

A SÉRIE

O piloto de 1974 não agradou aos executivos da rede ABC que solicitaram um novo piloto. Desta vez foi aceito um roteiro apresentado pelo veterano ator/roteirista Stanley Ralph Ross (Batman/Os Monkees, dentre outros) que já vinha tentando apresentar um roteiro para uma série/filme da Mulher-Maravilha há alguns anos.

O roteiro de Ross foi reescrito pelo também roteirista e produtor executivo da serie Douglas S. Cramer (Star Trek/Familia Sol La Si/Missão: Impossível dentre outras). Cramer e Wilford Lloyd Baumes são os produtores executivos da primeira temporada da serie. O roteiro ambientou a série durante a Segunda Guerra Mundial, período em que a heroína foi criada nos quadrinhos.

O ELENCO

Sem a menor sombra de duvidas um dos principais motivos do sucesso da serie foi a atriz Lynda Carter. Graças ao seu carisma e beleza que conquistaram a audiência no mundo inteiro, a serie durou três temporadas.

Linda começou sua carreira como modelo e venceu o concurso de beleza Miss América do ano de 1972, muito similar a carreira da atriz Gal Gadot que interpreta a personagem no cinema. A estrela não tinha praticamente nenhuma experiência em interpretação, salvo uma ou outra pequena participação. Mulher-Maravilha foi o primeiro grande trabalho de interpretação de Lynda.

Lyle Waggoner (Steve Trevor) já era bastante conhecido do grande público, graças ao seu trabalho na série Carrol Burnett. Lyle quase interpretou Batman na serie de tv de 1966, sendo dispensado no último teste, quando os produtores escolheram Adam West.

Outros integrantes do elenco da primeira temporada: O veterano Richard Eastham (General Philip Blankenship) e a pouco conhecida Beatrice Colen(Etta Candy, secretaria do Gen. Blakenship).

MULHER-MARAVILHA | O PILOTO

Na trama do piloto escrito por Ross e Cramer, o mundo esta na segunda guerra mundial, o avião de Steve cai na Ilha Paraíso (Themiscyra, nos quadrinhos), localizada no Triangulo das Bermudas, sendo resgatado por amazonas de origem grega.

A Rainha amazona Hippolyta (a sempre competente Cloris Leachman), decide devolver o piloto ao mundo dos homens e para leva-lo realiza jogos olímpicos entre as amazonas para que a campeã regresse com Steve.

O detalhe da competição é que todas as participantes estarão mascaradas, pois todas são irmãs e não devem saber contra quem estão competindo.

A disputa final chamada de Balas e Braceletes é espetacular, na qual cada uma deve atirar com um revolver na opositora e esta deve usar seus braceletes para impedir que as balas a acerte. É emocionante a cena em que Diana se revela a campeã.

Ao regressar com Steve, Diana se depara com um mundo em guerra e extremamente machista. Ela, também se depara com uma complexa e muito bem organizada rede de espiões nazistas infiltrada nos altos postos do governo, liderados pelo produtor teatral corrupto Ashley Norman (o competente Red Buttons) e pela agente dupla nazista “Marcia” (a belíssima Stella Stevens), que conspirava contra o restabelecido Steve, e ao final, enfrenta o Coronel nazista Von Blasco (Kenneth Mars), enviado para bombardear alvos militares nos Estados Unidos.

Visivelmente inspirada no desenho dos Superamigos da Hanna-Barbera, Diana usa seu avião invisível, laço da verdade que é indestrutível e seus braceletes. Utiliza um poder inédito, a capacidade de imitar qualquer voz. O piloto foi um sucesso de público e critica e a rede ABC autorizou a produção de mais um telefilme.

MULHER-MARAVILHA | A PRIMEIRA TEMPORADA

A primeira temporada é marcada por usar uma estética toda inspirada nos quadrinhos. A abertura que é um desenho animado, com cada personagem se transformando em seu respectivo ator/atriz. Os locais onde se localizam as cenas são quadros de quadrinhos com letras colocadas no alto da cena. A cena final do seguimento/bloco se transforma numa cena de quadrinho e no final do episodio forma uma pagina de uma historia de quadrinhos, semelhante a serie James West.

A produção da primeira temporada foi marcada pelo temor da ABC em investir na serie, decidindo em produzir mais um telefilme, no caso o primeiro e segundo episódios. O sucesso se repetiu e, então, a rede ABC autorizou a produção de mais 11 episódios, formando 14 episódios no total.

Temos um Steve heroico e apaixonado pela Mulher-Maravilha; uma Diana forte, guerreira, culta e decidida em enfrentar um inimigo muito poderoso: Os nazistas. Uma Etta que aparece pouco e serve de alivio cômico e um Gen. Blakenship que comanda as operações.

Merecem destaque os seguintes episódios: O piloto – As Novas Aventuras da Mulher-Maravilha (The New Original Wonder Woman); A Baronesa (Wonder Woman Meets Baroness von Gunther) e Fausta, A Mulher-Maravilha Nazista (The Nazi Wonder Woman), onde as mulheres são as vilãs, sendo que Fausta é uma personagem criada nos quadrinhos.

Cabe ainda, destaque para o episódio duplo Julgamento Espacial (Judgment From Outer Space), onde um alienígena Andros (Tim O’Connor) vem à Terra para julgar os humanos e os episódios A Mística Feminina em duas partes (The Feminum Mystique) e A Mulher-Maravilha em Hollywood (Wonder Woman in Hollywood), três episódios que contaram com a Moça-Maravilha (a estreante Debra Winger).

A temporada alcançou os índices de audiência desejados e tornou-se sucesso de publico, mas a rede ABC nunca gostou da produção e decidiu cancela-la.

MULHER-MARAVILHA | A SEGUNDA TEMPORADA

O cancelamento apanhou a produção, elenco e mídia de surpresa, sendo que a Warner Bros. ofereceu a Rede CBS que aceitou exibi-la, mas solicitou alterações no formato do programa. A serie passaria no ano de 1977 e deixaria a estética dos quadrinhos para trás.

A produção também sofreu mudanças com a saída de Stanley Ralph Ross, passando a ser produzida pelo veterano Bruce Lansbury (James West). Agora, quem cai na Ilha Paraíso é Steve Trevor Jr e Diana regressa com ele para o Mundo dos Homens. Ela descobre que se passaram mais de 30 anos e que o mundo esta envolto num novo conflito: a espionagem.

Steve Jr. e Diana não estão apaixonados e se veem apenas como colegas de trabalho, integrantes do Comando de Defesa Internacional, um braço secreto da CIA, recebendo as ordens da uma inteligência artificial IRAC, tendo como parceiro Joe Atkinson (Norman Burton) e com sede em Washington. Saem os Nazistas e entram paranormais, super-criminosos, espiões e alienígenas.

Merecem destaque: Anexação 77 (Anschluss ’77) e O Homem que Podia Modificar o Mundo (The Man Who Could Move the World), no primeiro oficiais nazistas escondidos na América do Sul tentam clonar Hitler e o segundo um oficial japonês com poderes paranormais quer se vingar da Mulher-Maravilha.

O episódio duplo Ladrões de Cérebro (Mind Stealers from Outer Space) traz de volta o personagem Andros (agora interpretado por Dack Rambo) que vem em busca de uma raça chamada Skrills que esta na Terra, planejando dominar o planeta e depois a galáxia. O Flautista Multicor (The Pied Piper), mostra um artista que com sua musica domina a mente das pessoas.

Os índices de audiência foram satisfatórios e justificou a renovação para uma terceira temporada.

MULHER-MARAVILHA | TERCEIRA TEMPORADA

A terceira temporada manteve as mudanças na produção e estrutura das historias da temporada anterior. Norman Burton deixa o elenco permanecendo Lynda e Lyle. Neste temporada a presença de Steve foi cada vez menor, fruto dos problemas pessoais de Lyle Waggoner que refletiu seu relacionamento com Lynda e com os produtores, chegando ao ponto de Steve não participar de vários episódios.

O visual de Diana muda drasticamente neste temporada, numa clara decisão de valorizar a beleza de Lynda Carter e manter a audiência.

Mulher-Maravilha

Merecem destaque nesta temporada: A Garota com o Dom de Provocar Acidentes (The Girl With a Gift for Disaster) onde uma jovem paranormal causa acidentes com seus poderes, sendo usada por ladrões. O episodio duplo O Rapaz que Descobriu o Segredo da Mulher-Maravilha (The Boy Who Knew Her Secret) no qual alienígenas vem à Terra em busca de um criminoso que fugiu e durante as investigações de Diana um jovem descobre sua identidade. O Homem Que Não Podia Morrer (The Man Who Could Not Die), episódio de ação, onde um cientista faz experiências e dota um homem e um cão com invulnerabilidade e super-força. O episódio duplo O Fantasma da Montanha-Russa (The Phantom of the Roller Coaster), uma rede de espiões esta escondida num parque de diversões assombrado por um fantasma e Diana precisa detê-los. Estes foram os últimos episódios da temporada e da serie.

Com o final da temporada os índices de audiência permaneceram satisfatórios, o que permitiria a renovação para uma quarta temporada. O que era certeza para todos. A CBS, de forma surpreende, cancelou a serie, informação que elenco e produção teve conhecimento através da imprensa.

EXIBIÇÃO NO BRASIL

No Brasil a serie teve sua primeira temporada exibida pela Rede Globo em horário nobre (dias da semana), depois foi reprisada aos domingos à tarde. Tanto a segunda quanto a terceira temporada foram exibidas, também nos domingos à tarde, onde a Globo exibia series de tv.

Nos anos 1980 a serie passou a ser exibida pela TVS (atual SBT) no período da tarde. Nos anos 1990 foi reprisada pelo Warner Channel (Canal da Warner) nas noites de sábado no bloco Sabados de Super-Heroi. Nos anos 2000 foi representada pelo canal argentino Retro Channel e mais recentemente pelo canal TCM dos canais Globosat.

A DUBLAGEM

As três temporadas da serie foram dubladas pelo estúdio carioca Herbert Richers, tendo como diretor da dublagem Alberto Perez, a apresentação da primeira temporada e leitura de placas e créditos da segunda e terceira temporadas foi de Ricardo Mariano e a leitura de placas e créditos da primeira temporada foi de Armando Cazellas.

Na primeira temporada Diana/Mulher-Maravilha foi dublada por Mara Di Carlo, General Blackenship por Dario Lourenço e Etta Candy por Ligia Rinelli. Na segunda temporada Diana/Mulher-Maravilha foi dublada por Angela Bonatti (que também dublaria na terceira temporada), Agente Atkinson foi dublado por Magalhães Graça e o computador IRAC por José Santana. Steve Trevor foi dublado nas três temporadas por Orlando Prado.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePin on Pinterest

Carlos Amorim é trekker, fã de séries de TV, cinema, pesquisador de dublagem, com mais de trinta anos de experiência em cultura pop. Além disso tudo ele ainda gosta de seriados cinematográficos e filmes antigos.

265 views
Scroll Up