PZ Entrevista | Joe Haldeman, autor de Forever War

Guerra Sem Fim (Forever War no original) é uma das obras mais influentes do segmento Ficção Científica Militarista (Veja nossa resenha AQUI), escrito por Joe Haldeman, ex-soldado da guerra do Vietnã, atualmente professor do MIT –  Massachusetts Institute of Technology, o livro é sempre citado ao lado de Tropas Estelares como sendo um dos pilares do subgênero.

Guerra Sem Fim Joe HaldemanCrítico, ácido, político e extremamente atemporal, Guerra Sem Fim (Veja nossa resenha AQUI) tem a promessa de reedição pela editora Aleph há algum tempo, o que trará de volta às livrarias nacionais umas das mais influentes obras da Sci-Fi militar do século XX.

Oportunamente – em decorrência de seu aniversário de 74 anos comemorados no dia 9 de junho de 2017 –  entrevistamos o escritor Joe Haldeman que, entre outras excelentes obras tem Forever Peace, a Trilogia Marte composta por Marsbound, Starbound e Earthbound, The Accidental Time Machine, The Hemingway Hoax, War Stories e muitos outros.

E com vocês, Mr. Joe Haldeman…

Entrevista Joe Haldeman

1.PONTO ZERO – Olá Mr. Haldeman; é uma imensa honra a oportunidade de realizar essa entrevista. Pra começarmos, fale um pouco sobre si mesmo para nossos leitores, sua obra Forever War é muito conhecida aqui no Brasil. Junto de nomes como Robert A. Heinlein, seu nome é citado como um dos grandes autores de Ficção Científica Militar moderna; sua experiência na guerra do Vietnã foi o centro de Forever War? Nos conte sobre o processo de criação desse livro.

JOE HALDEMAN – Sim. Em Forever War eu tentei traduzir minhas experiências do Vietnã em ficção científica. Quando eu voltei do Vietnã, eu escrevi um romance curto (não era ficção científica) sobre minhas experiências, chamdao WAR YEAR. Forever War estava diretamente relacionado a esse romance, embora eu também tenha usado alguns aspectos de “Time Piece”, romance que escrevi pouco antes de eu começar o romance Forever War.

2.PONTO ZERO – Forever War é um obra muito influente desde seu lançamento. Em breve a obra ganha uma republicação aqui no Brasil; fale um pouco de sua experiência na criação do livro.

JOE HALDEMAN – Fiquei agradavelmente surpreso com a recepção entusiástica do livro, embora não tenha sido realmente uma sensação que veio da noite para o dia. Depois que o livro ganhou os prêmios Hugo e Nebula, ele decolou.

3.PONTO ZERO – Que semelhanças e diferenças há entre William Mandella, protagonista de Forever War, e o senhor?

JOE HALDEMAN – Mandela tinha mais ou menos a minha idade e nós dois tínhamos graduação de física (a minha era “física e astronomia”, um pouco diferente). A principal diferença é que eu estava casado quando fui recrutado.

4.PONTO ZERO – O Tema das guerras sem sentido e que a tudo obliteram é um tema muito abordado em seus livros Mr. Haldeman, que mensagem essas obras trazem para seus leitores sobre as guerras atuais?

JOE HALDEMAN – São histórias de advertência que nos lembram que estamos em um caminho para o suicídio cultural. O desejo de paz mundial é incompatível com a presença de agentes de destruição em massa. Isso realmente diz tudo.

5.PONTO ZERO – Em Work Done for Hire o senhor tem o protagonista que também é escritor e ex-militar. Mais uma vez, o que temos de Joe Haldeman e sua experiência militar influenciando um de seus personagens?

JOE HALDEMAN – Só posso dizer que “Autobiografia” é uma das ferramentas mais naturais dos escritores de ficção.

entrevista Joe Haldeman
Joe Haldeman

6.PONTO ZERO – Sobre seus protagonistas ainda, Carmen Dula é uma protagonista feminina de 19 anos no livro Marsbound em uma época que cada vez mais as mulheres ganham espaço como personagens centrais em filmes, jogos, séries e livros. Qual foi o grande desafio na criação de Dula como protagonista de uma trilogia?

JOE HALDEMAN – Como muitos escritores, eu apenas queria o desafio de colocar uma protagonista em uma história onde o protagonista é geralmente um homem.

7.PONTO ZERO – Sua área de graduação em Física tem grande influência em Forever War, levando-se em conta os efeitos relativísticos nas viagens de longa distância, por exemplo. Fale um pouco da importância dos conceitos científicos reais dentro de sua obras de modo geral.

JOE HALDEMAN – Como um escritor, eu normalmente escrevo em um modo realista ou naturalista. Como sou graduado em física, eu uso isso como parte do “realismo”.

8.PONTO ZERO – Que projetos o senhor está realizando agora e poderia falar um pouco para nossos leitores?

JOE HALDEMAN – Neste momento, meu tempo está dividido entre um romance, PHOBOS MEANS FEAR, e uma longa história para uma antologia editada por Jonathan Strahan.

9.PONTO ZERO – Existe algum projeto para cinema ou televisão baseado em suas obras para breve?

JOE HALDEMAN – Uma versão em filme de THE FOREVER WAR está em andamento, e um filme ou produção de televisão do MINDBRIDGE está sendo sondada.

10.PONTO ZERO – Quais livros e autores você avaliaria como seus favoritos?

JOE HALDEMAN – Meu livro favorito, provavelmente, seria TREASURE ISLAND, de Robert Louis Stevenson, ou DHALGREN, de Samuel Delany. Meu autor favorito muda quase diariamente; eu acho que agora é Bill Griffith, por sua graphic novel INVISIBLE INK, sobre um caso de amor que sua mãe teve por décadas.

11.PONTO ZERO – Todo fã de Ficção Científica acaba imaginando suas próprias histórias e aventuras; alguma dica ou recomendação para os que querem se aventurar no universo da escrita?

JOE HALDEMAN – Não se desanime facilmente. A escrita deve ser algo bom para si próprio, sem almejar ao dinheiro ou à fama. Escreva o que você gosta de ler. Sonhe muito.

12.PONTO ZERO – E pra finalizar, que tal um recado de despedida para seus fãs aqui no Brasil?

JOE HALDEMAN – Obrigado por comprar:

  1. Livros;
  2. Ficção;
  3. Ficção científica;
  4. Escrito por mim;
  5. Ou por qualquer outro autor.

Autores:

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePin on Pinterest

Ponto Zero é um site de entretenimento cultura com foco em produção textual e análises de várias mídias como os quadrinhos, cinema, games, música, teatro e literatura.

253 views
Scroll Up