Divinity | E a volta de edições físicas da Valiant ao Brasil

Salve intrépidos leitores! Hoje o anúncio é sobre um retorno mais que bem-vindo, Divinity inaugura a volta de edições físicas ao Brasil do material da editora norte-americana Valiant!

Esta nova Valiant aportou pela primeira vez em terras tupiniquins em 2013 pela HQM Editora. Editora esta que tentou fazer um trabalho coerente e de extrema qualidade, posso afirmar isso pois, acompanhei todas as edições que saíram pela mesma.

DivinityA HQM infelizmente esbarrou no problema de pouca divulgação e de aceitação do público que reclama de falta de variedade, mas não sai do binário Marvel e DC não dando oportunidade muitas vezes a universos bem interessantes e prazerosos de se ler.

Rolou muita polêmica na época quando um dos editores da linha no Brasil reclamou de falta de apoio de sites de entretenimento e blogs especializados no assunto que praticamente ignoraram a linha que estava saindo pela HQM.

Aqui falo como fã da Valiant e tive que concordar que quase não se falava deste universo nos sites e blogs que costumo frequentar. Alguns nunca tocaram no assunto, muitos só vieram noticiar algo depois do barulho gerado pela polêmica do cancelamento das edições mensais e da tentativa de se continuar em forma de encadernados, mas aí já era tarde.

Um exemplo que se soma a isto, e que não via quase ninguém falando, foi o da edição nacional de Dark Horse Apresenta, uma antologia cult, com material de primeiríssima qualidade que passou batida e nem ao menos ao ser descontinuada pela mesma HQM Editora ganhou algum destaque no meio de sites e blogs especializados.

Agora falo como colaborador de um site de entretenimento. No Ponto Zero além de sempre estarmos entrando em contato com autores e editoras, os canais estão abertos para quem queira divulgar seus materiais, mas vale lembrar que isso é uma via de mão dupla. Não se deve esperar que só os sites e blogs especializados procurem as editoras e autores independentes e vice-versa, sim é um trabalho de formiguinha, e só juntando forças é que se constrói um mercado nacional de HQs contínuo e forte, independente se é um material de fora ou produção local.

Valiant

A HQM mesmo tentando ensaiar uma volta no início deste ano ao publicar as edições que faltavam para fechar determinados arcos de seus títulos, parece ter “jogado a toalha” definitivamente. O Social Comics entrou no jogo quando anunciou na CCXP de 2016 que seria a nova casa da Valiant, e somado a isso iniciaria uma parceria com a editora Jambô para publicar as edições encadernadas em 2017.

A Valiant tem universo bem estruturado e com séries convidativas e o melhor, trabalhando diversidade e representatividade de forma natural, tudo soa como deveria ser, obras que querem dialogar com o público de forma respeitosa e com boas histórias. No final muitos esquecem que bons roteiros deveriam ser a matéria prima de qualquer obra, Faith dá um olá.

Um outro aspecto que quero pontuar, e quem acompanha os anúncios de revista que escrevo já deve ter notado, é sobre a questão de preços astronômicos de alguns lançamentos principalmente dos encadernados de luxo. Numa destas postagens um leitor fez uma participação muito pertinente ao falar que muitas vezes o encarecimento de obras está ligado as negociações com as editoras internacionais, onde algumas são “osso duro de roer” e que com isso editoras grandes do Brasil abrem mão deste material e os mesmos acabam em editoras pequenas que não tem “bala na agulha” para publicar uma obra com qualidade sem pedir valores que custam os olhos da cara.

Porém fica uma questão ao se analisar isso. Se não for uma imposição da editora a questão do formato da publicação para liberação dos direitos da obra ser publicada em outro pais, aqui cito Akira que a JBC está trazendo ao Brasil e que passou por intensas negociações que exigiam um formato especifico, não vejo porque só focar em edições de luxo com preços salgados?

Nesta conjuntura entra a Jambô com Divinity, que é um encadernado e que já ganha um ponto comigo, pois traz a edição de lançamento com o valor de R$35,00 que é bem mais amigável e justo e ao se fazer as contas de quanto se gastaria por 4 edições separadas, acaba compensando.

Quer trabalhar com encadernado? Faz uma edição mais barata para mais gente ter a cesso e ler, depois se o material vingar relança em formato de luxo pra bilhar na estante dos colecionadores. Bem, pode ser que eu esteja sendo ingênuo, o mundo dos negócios gira em torno de lucros, mas cara se me dispus a escrever sobre HQs e ficar calado sobre esta pratica do mercado é melhor não escrever nada.

Enfim, conheça a obra e se possível leia e divulgue o material, o leitor é a engrenagem principal do processo, não se esqueça disso.

Divinity

A Terra está prestes a conhecer um novo deus. E ele é comunista.

No ápice da Guerra Fria, a União Soviética aprovou uma missão perigosamente avançada. Eles mandaram um homem para uma região do cosmo onde ninguém jamais estivera. Perdido nas estrelas, o cosmonauta encontrou o desconhecido. Agora voltou, pousando no deserto da Austrália.

Os poucos que tiveram contato com ele o consideram uma divindade, que pode comandar matéria, espaço e até mesmo o tempo. Agora, as potências mundiais se perguntam: o enigmático Divindade oferecerá sua mão em um gesto de amizade, ou deixará os heróis da Terra indefesos diante da fúria divina?

Do premiado escritor Matt Kindt (The Valiant, Mind MGMT) e do aclamando artista Trevor Hairsine (X-Men: Gênese Mortal), nos é apresentada esta visão chocante e inovadora da ficção científica do século XXI.

Divinity | Ficha técnica:

  • Título: Divinity Vol. 1
  • Autor: Matt Kindt
  • Tradutor: Gustavo Brauner
  • Formato: 18,5 x 27,5 cm, 112 páginas, colorido, brochura
  • ISBN: 978858365069-0

Veja mais sobre as HQs da Valiant nos links abaixo

Fonte: Editora Jambô

Compre sua edição AQUI.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePin on Pinterest

É Bacharel em Psicologia, porém optou por sua grande paixão trabalhando como ilustrador e quadrinhista. É sócio do Pencil Blue Studio e Ponto Zero, podendo assim viver e falar do que gosta: quadrinhos, cinema, séries de TV e literatura.

244 views
Scroll Up