Article

OSCAR 2017 | A QUALQUER CUSTO

A QUALQUER CUSTO (Hell or High Water. 2016. Direção: David Mackenzie. Roteiro: Taylor Sheridan. Elenco: Jeff Bridges, Chris Pine, Ben Foster, Gil Birmingham, Marin Ireland, Katy Mixon.)A Qualquer Custo

[dropcap size=small]A[/dropcap] grande maioria dos cineastas ou espectadores pensa que, para fazer um bom filme, é preciso de uma história mirabolante ou mega original, com um ponto de partida no qual nunca na história deste país havia se pensado.

Na verdade, para fazer um bom filme, não precisa de uma originalidade tremenda: basta saber escrever com o que tem, e executar o que tem.

A Qualquer Custo tem uma das histórias-base mais comuns do cinema: dois irmãos resolvem cometer uma série de roubos a bancos, e um policial entra na cola deles para acabar com a festa.

A premissa, à primeira vista, é bem repetitiva: parece que estamos assistindo a um clássico jogo de gato e rato, no maior estilo de Prenda-Me Se For Capaz, Onde os Fracos Não Têm Vez ou de qualquer um dos outros clássicos western, dentre os milhares que temos. Mas A Qualquer Custo, mesmo sendo “comum”, não é. Os detalhes do filme o enriquecem.

O cenário é o Texas, o que não poderia ser mais perfeito para o tema. Cenas em planícies, várias sequências em estradas de terra, mostrando a paisagem texana ao fundo da história, ajudam a tornar o filme mais forte, na sua missão de chamar a atenção.

Para combinar com o Texas, a trilha sonora do filme é belíssima, engrandecendo as perseguições, as cenas de clímax, os momentos de tensão, e ainda, encaixando-se perfeitamente com o Texas de terra, onde o filme toma vida.

Todos esses detalhes, certamente presentes para diferenciar o roteiro de qualquer outro, provavelmente foram colocados aqui pelo próprio roteirista, Taylor Sheridan, que já escreveu outro filme de sucesso, Sicário: Terra de Ninguém, o filme de Denis Villeneuve que foi extremamente cultuado em 2015 e 2016.

Ainda assim, o último trabalho de Sheridan não foi tão aclamado e cultuado quanto A Qualquer Custo. Nessa produção, o roteirista entregou um roteiro com uma base simples, mas com o toque certo, que lhe rendeu um grande sucesso (merecido) por algo que quase ninguém pensa em fazer: pegar bases repetidas e dar um toque de diferenciação.

E o roteiro demorou a tomar vida: escrito em 2012, ele foi inserido na famosa Black List de Hollywood, onde entram os melhores roteiros ainda não produzidos.

A Qualquer Custo

Talvez, o roteiro estivesse aguardando o diretor certo para dar os toques restantes de grandeza. David Mackenzie, como se espera de qualquer diretor, conduziu de forma genial o roteiro de Sheridan, pontuando todos os detalhes finais para que o resultado final fosse aclamado. E devo dizer, ele conseguiu.

E, para ajudar nessa tarefa, o trio de atores que levam o filme à frente são geniais: o surpreendente Ben Foster, o emergente Chris Pine, e o veterano Jeff Bridges.

Ben Foster provavelmente ainda é lembrado como o Anjo, do decepcionante X-Men: O Confronto Final. Mas, graças a Deus, esse não foi o único papel que ele fez. Vindo de papéis elogiados em Alpha Dog, Os Indomáveis e O Mensageiro, ele atinge aqui um dos patamares mais altos da carreira, na atuação emocionante como Tanner Howard, um ex-presidiário que, para ajudar o irmão desempregado, resolve voltar à vida do crime.

Chris Pine está cada vez melhor. Antes, ele era galã de comédias e romances. Depois, ele conseguiu o papel de um dos maiores personagens da ficção científica, James Kirk, nos três filmes do reboot de Star Trek (e conseguiu sustentar essa conquista). Agora, ele entrega o papel com a maior carga emocional de sua carreira, como Toby Howard, o pai desempregado que precisa de dinheiro para pagar todas as dívidas para com a ex-mulher e para quitar a dívida do rancho da família com os bancos, e que recebe a ajuda nada convencional do irmão para conseguir o que precisa, roubando os mesmos bancos que deve pagar. Com essa atuação, Pine galga mais um passo para ainda mais sucesso.

A Qualquer Custo

Jeff Bridges, por sua vez, dispensa comentários. O ator, que já foi indicado múltiplas vezes ao Oscar, seja como ator principal ou coadjuvante, e que já levou a estatueta de melhor ator para casa, por Coração Louco, atua aqui de acordo com o que as suas indicações e prêmios merecem. Bridges é o policial Marcus Hamilton, que, em sua última missão antes da aposentadoria, resolve caçar os irmãos.

A história é conduzida com classe, com perfeição, com várias cenas de tensão, com momentos emocionantes, e com detalhes que a tornam um clássico.

Mas, o detalhe que o torna incrível, é que A Qualquer Custo provou que, mesmo sem ideias jamais pensadas, é possível ter um roteiro surpreendente e encantador, nas mãos das pessoas certas para trabalharem.

Ainda bem que as pessoas que receberam esse roteiro nas mãos são extremamente boas. É excelente ver essa perseguição toda no meio do Texas.

E olha que o roteiro estava ignorado.

A Qualquer Custo  foi indicado a 4 Oscars em 2017:

  • Melhor Filme;
  • Melhor Ator Coadjuvante, para Jeff Bridges;
  • Melhor Roteiro Original, para Taylor Sheridan;
  • Melhor Edição, para Jake Roberts.

A cerimônia de entrega dos Oscars em 2017 ocorrerá na noite de domingo, 26 de fevereiro.

Trailer | A Qualquer Custo

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePin on Pinterest

Um ajudante de super-herói perdido em Tatooine, com várias pedras de metanfetamina.

233 views
Scroll Up