Article

O Livro É: O Evangelho de Loki, de Joanne M. Harris.

Vejo uma escassez de livros sobre mitologia nórdica no Brasil há muito tempo. São raros os que abordam o tema, sendo que a maioria são mais técnicos ou até puxando para o Infanto-Juvenil. Joanne M. Harris nos presenteia com um verdadeiro romance de mitologia nórdica finalmente no Brasil. Com seu livro O Evangelho de Loki, toda a mitologia nórdica nos é apresentada de maneira divertida e prazerosa, pelos olhos do deus mais amado, ao menos por nós, de toda a mitologia, Loki.

91b5zaikscl[dropcap size=small]L[/dropcap]oki narra todo o livro, e por vezes nos revela os próprios sentimentos por trás de cada ação tomada. Loki não se tornou o deus da Trapaça à toa, e nesse livro todas as suas artimanhas são representadas de maneira extremamente divertida.

Loki, ou como ele se denomina no livro, Aquele que Vos Fala, apresenta os principais deuses do panteão Nórdico, mas começa o livro com a criação do mundo, que se deu com o surgimento de uma vaca chamada Audhumla e um gigante chamado Ymir, passando pela busca de Odin pelo conhecimento das runas e a origem dos poderosos artefatos mágicos, como Mjolnir, tudo nos é mostrado pela versão Oficial de Loki. Aliás, esse é um ponto importante na narrativa.

A mitologia nórdica que conhecemos teve a Profecia do Oráculo como uma das principais fontes de conhecimento, inclusive essa profecia está impressa no final do livro. Mas, segundo Loki, essa é a versão que Odin quer que seu povo acredite, se tornando, segundo as palavras de Loki, a História Autorizada.

Através desse livro, Loki tenta nos mostrar que nem Odin e seu filho Thor, e nem os outros deuses asgardianos, são aquilo que ouvimos falar. A versão real, ou a versão Loki, são bem diferentes. Odin é um tirano, Heimdall é extremamente desconfiado, Thor é um brutamonte selvagem e praticamente todas as mulheres de Asgard estão descontentes com os seus casamentos.

Bem, não me culpem por ser atraente. Demônios são assim, em sua maioria. Além disso, não era como se a competição fosse acirrada. Chefes de guerra suados, peludos, sem um pingo de polidez ou destreza, cujas idéias de diversão se resumiam a matar alguns gigantes, lutar contra uma serpente, e, em seguida, comer um boi e seis leitões sem ao menos tomarem banho antes, enquanto arrotavam uma canção popular. É óbvio que as mulheres flertavam comigo. Um bad boy sempre chama atenção, e eu sempre tive uma boa lábia.

O Evangelho de Loki | A origem de Loki

A origem de Loki é bastante curiosa. Filho de uma pilha de galhos secos com um raio (!), Loki nasceu como uma fagulha do Caos, sem forma nem nome. Imerso no fogo do Caos, Loki começou a perceber o mundo, vasculhando e conhecendo tudo que podia sobre os Deuses, sobre os Gigantes de Gelo, sobre o Povo de Pedra e todos os demais reinos sustentados pela Yggdrasil. Até que em certo momento, Loki se vê na forma humana, de cabelo ruivo e nu, de frente à Odin, que lhe propõe algo irrecusável: ou volta a força primitiva do Caos, sendo considerado um traidor e assim deixando de existir, ou se torna um deus Asgardiano, irmão e conselheiro de Odin.

Loki, vindo do Caos e sendo considerado um Demônio, se vê obrigado a aceitar a oferta de Odin. Chegando a Asgard, Loki é mal recebido por todos. Visto como um demônio, ninguém aceita Loki no palácio, porém Loki vai mostrando, com o tempo, ser útil em algumas situações. Porém, a desconfiança de todos sempre está presente, afinal Loki é o deus da Trapaça, e seu instinto do Caos continua dentro dele.

Conforme as trapaças de Loki vão aumentando, a animosidade de todos contra Loki se torna cada vez mais evidente, inclusive com Odin se mostrando um Deus inescrupuloso e interesseiro, só se preocupando com o que pode ou não ser vantajoso para ele mesmo e seu reinado. É a partir daí que Loki começa a arquitetar sua vingança, e começa a trapacear e prejudicar ainda mais os deuses asgardianos. Mas acredito que um dos pontos altos do livro são justamente as reviravoltas das trapaças feitas por Loki, pois muitas vezes a consequência seria a morte, ou então a expulsão de Loki, tendo que retornar ao Caos e morrendo por ser considerado um traidor.

Loki usa de sua inteligência em todos os momentos para continuar escapando, em reviravoltas que me impressionaram muito. Eu inclusive vou me abster de aprofundar mais a resenha na narrativa, pois quero que você, amigo leitor, descubra por si só cada uma das artimanhas utilizadas por esse deus fascinante.

Não quero me gabar, mas é sério, pessoal, o dia que não tiver um plano será o dia em que Hel congelará.

O Evangelho de Loki | A Narrativa

O que mais me chamou a atenção nesse livro, em um aspecto além da história em si, foi sua narrativa. Harris construiu Loki de uma maneira brilhante, conduzindo a narração do deus da Trapaça de uma maneira que fez com que Loki dialogue diretamente com o leitor, como se estivéssemos batendo um papo em uma mesa de bar, ou num nome mais técnico, quebrando a quarta parede.

Loki nos conta sua história de maneira leve e fluída, e são poucos os diálogos durante a trama, pois Loki se encarrega também de nos contar a reação dos deuses. Uma maneira brilhante de escrever o livro, pois nos sentimos intimamente ligados a Loki, como um amigo que apenas deseja nos contar sua história, nos passando sua impressão pessoal de cada personagem e situação, mas também nos mostrando o porquê de Loki ter aquela impressão.

Brilhantemente escrito, Harris nos mostra seu talento como escritora e me fez querer conhecer mais de sua obra.

O Evangelho de Loki | Opinião e avaliação

joanne-harrisComo Loki deixa claro já no começo, a mitologia nórdica é cíclica, nunca tendo um fim, mas sim sucessivos recomeços, como o girar de uma roda. É assim com a trama, que caminha para o Ragnarok, é assim com a Ordem e o Caos que originaram os reinos e as raças. Uma visão extremamente aprofundada na mitologia nórdica nos é dada, passando por praticamente todos os mitos dessa mitologia que nos são desconhecidos ou conhecidos por alto.

Todos muito bem relatados sob a ótica de Loki, que nos fornece uma ótima compreensão, explicando absolutamente tudo, mas sob sua ótica, é claro. Loki é um exímio narrador, e saber seus pensamentos, sua versão dos mitos, é extremamente fascinante. Um livro que eu classifico como obrigatório para aqueles que querem, realmente, conhecer a mitologia desse povo incrível.

Se você, amigo leitor, já conhece um pouco da mitologia nórdica vinda de alguns livros que temos no Brasil, indico esse livro pelo seu aprofundamento incrivelmente superior. Porém, se você só conhece Loki devido aos filmes de Thor e dos Vingadores, indico ainda mais esse livro para que possa conhecer a mitologia incrível que deu origem a esses personagens.

-Você é bom a esse nível? – perguntou Thor.

Sorri.

– Melhor – respondi. – Eu sou Loki

O Evangelho de Loki se torna um dos meus livros favoritos, vindo pelas mãos da Bertran Brasil, pertencente ao Grupo Editorial Record, uma das maiores editoras do Brasil, então a qualidade do livro físico com toda certeza será ótima.

Eu particularmente adoro a fonte usada pelos selos da Record, por alguma razão me lembra a fonte das antigas maquinas de escrever e, como fã de livros antigos que possuíam essa fonte, eu fatalmente acabo amando os livros da editora no quesito impressão.

A capa é digna de nota pelo fato de a Bertrand ter evitado trazer o livro com uma capa própria, mas sim utilizado a linda capa dos livros do exterior, só mudando o título em inglês para português. Adorei essa capa e ela é perfeita para o que o livro quer passar. Ponto mais que positivo para a editora, que fez um ótimo trabalho como sempre.

Se você já tiver lido, ou deseja ler, deixe nos comentários sua opinião, que é sempre muito bem-vinda.

[divider]O Evangelho de Loki | Sinopse[/divider]

Com sua notória reputação para trapaças e enganações, Loki é um deus nórdico sem igual. Nascido demônio, é visto com profundas suspeitas por seus companheiros deuses, que jamais o aceitarão como um deles; por conta disso, Loki promete se vingar. Mas enquanto o deus-demônio planeja a derrocada de Asgard e a humilhação dos seus opressores, poderes maiores conspiram contra os deuses e uma batalha é arquitetada para mudar o destino dos Mundos.

Do recrutamento por Odin do reino do Caos, através dos anos como solucionador de problemas de Asgard, até a perda do seu posto no desenrolar para o Ragnarök, este é o Evangelho de Loki, a sua longa e curiosa versão da história — e se alguém disser o contrário, não acredite!

 [divider]O Evangelho de Loki – Links[/divider]

logo-bertrand[divider]O Evangelho de Loki – Links – Sobre a autora[/divider]

Joanne Harris é uma escritora britânica. Com Chocolate (nomeado para o Whitbread Award, hoje Costa Book Awards, um dos mais prestigiados prémios literários britânicos), Vinho Mágico, Cinco Quartos de Laranja e A Praia Roubada conheceu um retumbante sucesso internacional, que a adaptação ao cinema de Chocolate (com Juliette Binoche e Johnny Depp) veio ainda intensificar.

[divider]O Evangelho de Loki – Informações Técnicas[/divider]
  • Autor: Joanne Harris
  • Título Original: The gospel of Loki
  • Tradutor: Ananda Alves
  • EAN: 9788528620757
  • Gênero: Romance estrangeiro
  • Páginas: 336
  • Formato: 16 x 23 x 1,9 cm
  • Editora: Bertrand Brasil

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePin on Pinterest

Um leitor assíduo da fantasia e do terror, vem descobrindo aos poucos as maravilhas da Ficção Científica e dos Romances Históricos. Crítico e perfeccionista, procura falhas até nos livros mais perfeitos. Nas horas vagas escuta Heavy Metal e lê ainda mais.

89 views
Scroll Up