O Livro é | República de Ladrões, de Scott Lynch

Scott Lynch tem se mostrado um autor extremamente talentoso na arte de criar uma história envolvente, engraçada, tensa e divertida. Com República de Ladrões ele mostra que sua genialidade só está aumentando e que os livros anteriores foram superados na arte da narrativa.

República de Ladrões é um livro que consegue se dividir em dois ao mesmo tempo. Enquanto temos uma parte de cada capítulo mostrando o presente de Locke Lamora e Jean Tannen, no final dos capítulos temos os interlúdios que nos mostram o passado de Locke. Esse artifício já havia sido usado nos dois livros anteriores, mas nesse livro ele serve para nos explicar a relação de Locke com Sabeta, que será sua inimiga nesse livro, e que foi citada pouquíssimas vezes nos livros anteriores sem nunca aparecer, mas sempre deixando claro o forte sentimento que Locke tem por ela.

“Quer uma lição, garoto? Se você se pegar nascendo, suba de volta o mais rápido que puder, porque a vida é um festim de bosta sem fim.”

República de Ladrões | A Primeira Trama

República de Ladrões Scott LynchLocke está à beira da morte num quartinho na cidade de Lashane, tendo somente Jean como companhia. Jean tenta a todo custo conseguir ajuda para reverter o avanço do veneno, que Locke acabou tomando ainda no livro dois, Mares de Sangue. Jean tenta de tudo, desde alquimistas até Galenos, os médicos das histórias de Lynch, porém sem resultado nenhum.

Sua ultima esperança está em Erudito Erkemar Zodesti, principal Galeno de Lashane, que recusa a atender os apelos de Jean para que veja Locke. Jean então sequestra o Galeno e o traz a força até Locke. Erkemar confirma que Locke não passará daquela noite e é solto. É nessa hora que os problemas começam para ambos.

Por ter sequestrado o Galeno, uma gangue invade o quarto em que Locke e Jean moram e roubam tudo, deixando Locke e Jean numa situação horrível, com um aviso: ou a dupla sai da cidade ou morre no dia seguinte.

Instantaneamente surge uma figura misteriosa na porta deles, que se revela uma Maga-Servidora. Seu nome é Paciência, e ela promete ajudar Locke, removendo o veneno e deixando-o restabelecido.

Porém haverá um custo: Jean e Locke deverão ir até a base dos Magos, Kartane, ajudar o partido de Paciência a vencer a eleição do Konseil, ou Conselho dos Magos, formado por 19 Magos-Servidores. Essa eleição é disputada pelos dois partidos dos Magos, o Íris Negra, que venceu as duas ultimas eleições, e o Raízes Profundas, partido de Paciência.

A dupla então será encarregada de vencer essa eleição usando de qualquer artimanha, e estamos falando de qualquer mesmo. O grande problema está na pessoa que o partido Íris Negra contratou para fazer o mesmo serviço para eles, Sabeta Belacoros, ex integrante dos Nobres Vigaristas e a única pessoa por quem Locke se apaixonou na vida.

Tendo a mesma formação, Sabeta será uma pedra no sapato dos dois Nobres Vigaristas remanescentes, que tentarão fazer de tudo para vencer a eleição ao mesmo tempo em que Locke tenta se reaproximar do seu amor. Garantia de muita diversão, muitas risadas e belos plot twists.

República de Ladrões | Segunda Trama

Já nos Interlúdios temos uma história paralela. Esse recurso foi explorado também nos outros livros, mas sempre servindo para mostrar o passado de Locke e Jean no seu treinamento com o Padre Correntes e os demais Nobres Vigaristas, porém com o autor sempre tomando o cuidado de apenas nos instigar para saber quem é Sabeta Belacoros. Nesse livro Lynch nos mostra quando Locke conhece Sabeta, ainda no Morro das Sombras, sua primeira morada.

Conforme a história avança, Lynch nos mostra o dia-a-dia de Locke e Sabeta, desde pequenas disputas internas, o surgimento da paixão de Locke, até o dia em que Correntes os envia a um amigo seu que é ator, com a missão de ajudá-lo a realizar uma peça teatral, chamada República de Ladrões.

Calo, Galdo, Jean, Locke e Sabeta assumem identidades falsas e partem a essa cidade, onde deverão salvar o amigo de Correntes da prisão, reerguer a trupe, ensaiarem a peça e executá-la. Como forma de unir todos os Nobres Vigaristas, essa missão fará Locke e Sabeta se aproximarem ainda mais, resolvendo problemas pessoais e se descobrindo.

– Sabe, Jean me tirou a tapas de várias situações em que eu estava com o humor igual ao seu agora. – Locke tomou um longo gole de cerveja. – Você está olhando o mundo de um modo tremendamente pessoal. O Correntes nunca falou com você sobre o Princípio Teológico de Ouro?

– O… o quê?

– O único aspecto congruente de todas as religiões conhecidas. A única suposição compartilhada, universal, sobre a condição humana.

– Qual é?

– Ele dizia que a vida se resume a ficar na fila para ter merda jogada na cabeça. Todo mundo tem um lugar na fila, não é possível sair dela, e justo quando você começa a se parabenizar por ter sobrevivido à sua dose de merda, descobre que a fila, na verdade, é circular.

República de Ladrões | Comentários e Análise

A verdade é que Nobres Vigaristas não é uma série de Alta Fantasia. Poucos são os elementos fantásticos nela, sendo que o maior representante é a magia dos Magos-Servidores, tendo também os Alquimistas e outras pequenas coisas.

Nobres Vigaristas se trata disso, Vigaristas, em um mundo fortemente inspirado na Itália de épocas antigas, com piratas aparecendo em Mar de Sangue, Nobreza e outros Vigaristas aparecendo em As Mentiras de Locke Lamora, e agora a política em República de Ladrões.

República de Ladrões Scott Lynch

Não espere a ação de Mares de Sangue nesse livro, nem golpes contra os ricos como em As Mentiras de Locke Lamora. Em República dos Ladrões temos um Lynch voltando seu foco para a o jogo da política, o jogo da conquista dos votos, mas com as mesmas características que fazem desse autor um sucesso na arte da escrita.

Espere muito humor negro, muito sarcasmo, uma dose de baixaria e muito, mas muito palavrão. Lynch é extremamente engraçado, com tiradas sarcásticas geniais e seu humor negro terrível e brilhante fazem desse livro uma sátira hilária à política do mundo real.

Locke Lamora consegue ser, de longe, um dos melhores personagens que eu já vi, compensando sua falta de músculos e habilidade de batalha com sua mente altamente brilhante, tendo Jean como o responsável pelas partes dos músculos, mas que também possui uma mente brilhante.

Sabeta se mostra uma personagem estilo Ame ou Odeie, porque em certos momentos foi isso que senti com as atitudes dela. Extremamente enigmática, Sabeta conquista o leitor em alguns momentos, e em outros nos desaponta com o que ela é capaz de fazer com Locke e Jean para conseguir realizar seu trabalho.

Graças a ela, temos plot twists brilhantes e completamente inesperados, mas é Paciência que nos dá o melhor plot twist que já vi em anos, e que me instiga a aguardar a continuação dessa série com enorme ansiedade.

República de Ladrões Scott Lynch

Como crítico, sinto que devo fazer uma crítica negativa quando ela se faz necessária, mas em República de Ladrões não sinto a necessidade. A história é perfeita, e o trabalho da Arqueiro é primoroso. Desde a impressão e qualidade, e ressalto aqui que quando se trata de livros brochura, a Arqueiro é a melhor, até a tradução.

Sem censuras, num trabalho incrível feito por Alves Calado. Pra mim, Nobres Vigaristas é, atualmente, uma das melhores séries de fantasia lançada aqui no Brasil.

– Sua puta, se eu tivesse condições, arrancaria seu coração do peito e usaria como bola – vociferou Locke, tossindo.

REPÚBLICA DE LADRÕES, DE SCOTT LYNCH

“Exemplar cedido em parceria com a editora.”

Sinopse: “Frenético, divertido e impossível de parar de ler… Locke e companhia mantêm-se entre os protagonistas mais cativantes da fantasia e Lynch esgueira-se para uma paródia política incisiva sem nunca exagerar na comédia.” – Publishers Weekly

Ainda um jovem órfão e aprendiz de ladrão, Locke conhece Sabeta no Morro das Sombras e vê-se atrapalhado com seus sentimentos, sem saber que aquilo é estar apaixonado. Tempos depois, eles se reencontram na gangue dos Nobres Vigaristas e precisam conviver sob o mesmo teto, no refúgio do Templo de Perelandro, lidando com emoções e necessidades con­flituosas em meio ao aprendizado e às tarefas cotidianas.

Quando Locke torna-se líder da gangue, Sabeta resolve desbravar o mundo sozinha, sem se acomodar com a fortuna obtida, sem ‑ficar presa à cidade de Camorr. Cinco anos depois, apesar de todas as reviravoltas em sua vida, Locke ainda não conseguiu esquecê-la. Movido por uma paixão avassaladora, ele sabe que o amor é algo que marca a memória. Mas o ódio também. E nada mais traiçoeiro que ser contratado para auxiliar seus arqui-inimigos, os Magos-Servidores, em uma eleição no próprio covil deles.

  • EDITORA | Arqueiro
  • I.S.B.N. | 9788580413915
  • ACABAMENTO|Brochura
  • TRADUTOR | Alves Calado
  • NÚMERO DA EDIÇÃO | 1
  • ANO DA EDIÇÃO | 2015
  • IDIOMA | Português
  • NÚMERO DE PÁGINAS | 544
  • AUTOR | Lynch,Scott

República de Ladrões Scott Lynch

República de Ladrões | Sobre o autor

Scott Lynch já foi escritor freelance de RPG e teve uma série de empregos até seu primeiro livro ser publicado. Recebeu o prêmio de Melhor Revelação do British Fantasy Award e foi finalista do World Fantasy Award com As mentiras de Locke Lamora. A série dos Nobres Vigaristas já foi vendida para 28 países. Ele vive atualmente em New Richmond, Wisconsin.

República de Ladrões | Links

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePin on Pinterest

Um leitor assíduo da fantasia e do terror, vem descobrindo aos poucos as maravilhas da Ficção Científica e dos Romances Históricos. Crítico e perfeccionista, procura falhas até nos livros mais perfeitos. Nas horas vagas escuta Heavy Metal e lê ainda mais.

151 views
  • Filipe Faria

    Ouço muita gente dizer que esse é o livro mais fraquinho da série até agora, mas eu gosto dele tanto quanto os outros dois. Espero que o quarto saia logo.
    Excelente resenha 😀

    • Alexander Weber

      Pelos acontecimentos do final, as reviravoltas e todo o esquema criado, pra mim foi o mais elaborado de todos. Obrigado pela opinião

Scroll Up